Monthly Archives: December 2020

Manuelizando al Croupier | reposição – digressão

Después de una primera série de lecturas “Manuelizando al Croupier” vuelve a las apuestas en el 21 del siglo 21, con una digresión en espacios literários del Norte de Portugal como la Casa de Mateus, en Vila Real, y el Espacio Miguel Torga, en Sabrosa.

Se trata de una performance en torno al poema de Leopoldo María Panero “El Croupier del Mississipi”, con la forma de teatro musical “Manuel en Escena” que Alvaro García de Zúñiga – otro poeta, como Leopoldo Panero, desaparecido en el 2014 – desarrolló para sus próprios textos.

El montaje resultó de una invitación del Instituto Cervantes de Lisboa, en 2019, año en que fue publicada, en Portugal, una antologia de la obra del poeta maragato.

Volverá a rolar en 2021, con un nuevo conjunto de lectores, y esta vez la residencia de creación tendrá lugar en la Casa de Mateus, en el marco del proyecto de programación en red “Palavras Cruzadas” financiado por la CCDR-N.

El esquema de lectura incluye 5 a 7 intérpretes. Cada performance empieza con una roleta-literária y dura unos 12 minutos, luego pausa de 3 minutos, nueva roleta y se re-empieza, hasta un máximo de 7 veces. En tiempos de COVID esto permite tener públicos reducidos y airear cada 15 minutos.

O TEATRO É PURO CINEMA | Leitura Encenada

Uma co-produção Teatro da Rainha* & blablaLab

Apresentação: O TEATRO É PURO CINEMA | Reposição

O TEATRO É PURO CINEMA 

de Alvaro Garcia de Zúñiga

tradução: Jorge Melícias (a partir da versão castelhana)

encenação e dramaturgia: Teresa Albuquerque, com Fábio Costa, Fernando Mora Ramos e José Luís Ferreira (no Teatro é puro Cinema, ao vivo, em cena) Fernando Lopes, Ana Zanatti, Miguel Azguime, Fernán García de Zúñiga, Sérgio Praia, João Cabral, Maria João Seixas, António Feijó, Fernando Vendrell e Fernando Mascarenhas (no Cinema é puro Teatro, gravados, em bites)

Vinte e dois anos depois da sua estreia, na Sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II, a blablaLab e o Teatro da Rainha regressam ao texto que anuncia o modo alvariano: um teatro musical, polifónico, transdisciplinar, sem personagens. Uma peça coral para intérpretes, vozes off e imagens em movimento, revisitada em versão ‘Manuel sur Scène’, dispositivo de leitura orquestrada desenvolvido pelo autor para explorar as infinitas possibilidades da(s) língua(s) e das suas linguagens.

“O teatro abre os parênteses: os actores-reactores imaginam todo um filme. Criam uma janela que é a de um avião, porque o teatro voa. Com ele o tempo voa e faz-nos voar. Alto. Ao mesmo tempo, dentro de um avião, os passageiros assistem a um filme catástrofe e inventam logo a seguir outro. E o avião cai sobre o teatro em plena representação. Morre toda a gente. Na autópsia abre-se um crânio como quem abre uma caixa de Pandora e fecha-se o parêntese.” 

Alvaro García de Zúñiga, Abril de 1999

* Teatro da Rainha é uma companhia apoiada pela República Portuguesa | Cultura | DGArtes

Ficha técnica (em desenvolvimento)

Produção: Ana Pereira, José Luís Ferreira 

Assistente de Produção: Rebeca Vendrell

Cenário: Teresa Albuquerque, a partir da ideia de obra-instalação de Alvaro García de Zúñiga “Fauteil pour voir la télé”

Poltrona para ver televisão: Enrico Gaido, Henrique Manuel Bento Fialho

Realização vídeos novos : Elsa Loff

Programa “O Cinema é Puro Teatro” e gravações audio: Eduardo Raon

Luzes: Pedro Pires Cabral

Som: Eduardo Raon, António Anunciação

Montagem: António Anunciação

Estagiário de Técnico de luz, som e montagem: Lucas Keating,

O Programa “O Cinema é Puro Teatro” inclui imagens da estreia no TNDMII, os programas “O único problema” e “Hernan Hernandez” ambos com Ana Zanatti, e “A ele conheço-o desde pequeno” com Maria João Seixas e ainda o programa “Pontos nos I!” com Maria João Seixas e Fernando Mascarenhas, realizados pela equipa da criação em 1999,

e as Intervenções audiovisuais da versão de 2021:

“Jesus Ignácio de la Fuente Bergamota Noera” com António Feijó, “O Elefante Pato” e “Hugo, o Formigo-comendo” com Fernando Vendrell, filmagens e edição de Elsa Loff, gravações áudio de Eduardo Raon, anotação, Renata Amorim,

e a peça “Freezing Utopia” do artista Enrico Gaido.

Representações 2021

Novas datas:

4 de Setembro, Espaço Miguel Torga em Sabrosa

9, 10 de Setembro, Teatro Municipal de Vila Real 

16, 17, 18 de Setembro, Teatro da Rainha, Caldas da Rainha

Links:

O TEATRO É PURO CINEMA | Reposição

“O teatro é pura fit… cinema” / leitura Impro(vável)visada | Art’s Birthday 2020″ 

O Teatro é puro Cinema 1999